Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Busca e Desconta

Busca e Desconta

Resultado líquido da Sonae quase duplica até junho para 97 milhões

O resultado líquido da Sonae atribuível a acionistas quase duplicou, para 97 milhões de euros, no primeiro semestre em termos homólogos, com todas as áreas de negócio a aumentarem a faturação, anunciou hoje o grupo.

70.jpg

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonae reporta um aumento de 1% do volume de negócios, para 2.329 milhões de euros, destacando o "reforço ao nível da expansão internacional" e da "solidez financeira" do grupo.

804.jpgAté junho, o EBITDA (resultados antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) aumentou 11,1%, para 191 milhões de euros, beneficiando do "forte desempenho" da NOS e da Sonae Sierra e das operações de 'sale and leaseback' concluídas no período.

O 'underlying' EBITDA (EBITDA direto -- efeito do método de equivalência patrimonial) atingiu os 132 milhões de euros, correspondendo a uma margem operacional de 5,7% (-1,0 pontos percentuais), e o resultado direto cresceu 23,5%, para 56 milhões de euros, "beneficiando das melhorias registadas no EBITDA e no resultado financeiro líquido, apesar do nível superior de amortizações e depreciações e impostos".

Já o resultado líquido atribuível a acionistas aumentou de 52 milhões de euros no primeiro semestre de 2014 para 97 milhões de euros até junho de 2015.

No comunicado, a Sonae destaca que a "fase de extraordinária intensidade competitiva" vivida no setor alimentar tem levado o grupo a "adequar a sua proposta de valor, com impactos imediatos na rentabilidade".

O volume de negócios no retalho alimentar aumentou uns ligeiros 0,4% no período, para 1.633 milhões de euros, beneficiando da expansão da área de vendas, já que a Sonae MC terminou o semestre com mais duas novas lojas próprias.

Nesta área, a Sonae refere que os formatos de franquia "continuam a expandir-se rapidamente", com todas as insígnias, nomeadamente 'Meu Super', 'Well's', 'Bom Bocado' e 'note!' a contribuírem positivamente.

Destaque para as 162 lojas 'Meu Super' em operação, um aumento homólogo de 10% em metros quadrados que traduz a "abordagem 'capital light'" adotada pela Sonae MC para ampliar a sua presença no formato de conveniência.

No retalho especializado (Sonae SR), o volume de negócios aumentou também 0,4% no semestre, para 582 milhões de euros, registando-se um aumento de 4,4% das vendas por metro quadrado e a continuação da aposta na internacionalização, traduzida num aumento de 5,1% no volume de negócios da unidade internacional.

De destacar a "significativa melhoria no mercado espanhol, quer na Worten, quer na Sport Zone, em contraste com a performance da área de moda, que não atingiu os objetivos esperados para a coleção de primavera/verão".

Globalmente, o investimento nos negócios de retalho da Sonae (Sonae MC, Sonae SR e Sonae RP) aumentou 48,6% até junho, para 109 milhões de euros.

Também salientados no comunicado são os indicadores operacionais e resultados financeiros alcançados pela NOS na área das telecomunicações, que "surpreendem pela velocidade com que se têm concretizado as melhores expectativas criadas com a fusão [da Optimus com a Zon]".

Até junho, as receitas operacionais da NOS aumentaram 2,6%, para 700 milhões de euros, "beneficiando da forte atividade operacional", tendo o número de clientes convergentes ascendido a 510 mil, mais do dobro do mesmo período de 2014.

Na área dos centros comerciais, é referido o "bom desempenho" da Sonae Sierra, com as vendas dos lojistas a aumentarem 37 milhões de euros e 1,8% em termos homólogos, para 2.081 milhões de euros, "suportadas por um desempenho positivo quer na Europa, quer no Brasil".

A taxa de ocupação dos centros comerciais da Sonae foi de 95,8% no primeiro semestre.

Já na Sonae IM, unidade de Gestão de Investimentos, o volume de negócios ascendeu a 124 milhões de euros, mais 4% em relação ao mesmo período de 2014.

Da atividade do primeiro semestre a Sonae destaca ainda o "fortalecimento do balanço" resultante da conjugação da diminuição da dívida líquida total (em 75 milhões de euros, para 1.413 milhões de euros), do alongamento da sua maturidade e da redução do respetivo custo, tendo o grupo "já asseguradas" todas as necessidades de refinanciamento previstas para 2015 e 2016.

 

 

Imagem e Texto: Notícias ao Minuto

Noticia de: http://www.noticiasaominuto.com

 

 

 

0.png